A reforma trabalhista tá na Bíblia!

Não foi o Temer que inventou a reforma trabalhista. Ele faz parte dela. Mas talvez não seja a principal. Ele é a cara visível – e risível, segundo alguns – deste projeto. Mas o projeto não é dele. É anterior a ele. Sua sorte ou azar, dependendo do ponto de vista, foi a de estar no lugar apropriado para apropriar-se de um projeto que outros tantos já costuravam nos socavões do poder que não ficam exatamente em Brasília.
Mas como ele estava no local indicado, no momento indicado e parecia ser o homem indicado, foi alçado à Presidência com a tarefa de levá-la adiante. Não fosse ele, seria outro. E, se não for ele, os verdadeiros donos dos fios que mandam e desmandam, vão tentar colocar outro.
Mas a história sempre foi assim. E falo de história longa. Aquela que no nosso imaginário ocidental parece ser a mais antiga, a história bíblica. Há poucos dias me dei conta que a primeira proposta de reforma trabalhista está no Antigo Testamento. Bem lá no início, no Livro do Êxodo, quando Moisés foi, a mando de Deus, pedir que o Faraó desse o descanso semanal para os escravos hebreus. O Faraó, no lugar de atender as reivindicações, fez uma Reforma Trabalhista: tirou todo e qualquer dia de descanso, aumentou a carga horária diária de trabalho, reduziu o pessoal e aumentou as metas de produção. E ainda tentou convencer os próprios hebreus de que eram preguiçosos e deviam trabalhar mais. Ocupados, não dariam ouvidos a loucos sindicalistas como Moisés.
Para sorte de Moisés e dos hebreus, eles tinham Deus por aliado! Ele ajudou os israelitas a fugir. Mas não foi fácil… Antes teve que usar o terror das pragas para convencer o Faraó e seus capatazes de que deveriam deixar o povo ir em paz. Rãs, mosquitos, moscas, peste nos rebanhos, doenças nos humanos, chuva de pedras que mataram animais e destruíram plantações, nuvens de gafanhotos e três dias de escuridão. A cada praga, o Faraó se arrependia, mas, em seguida, vendo o prejuízo que lhe podia acarretar a folga de três dias que os hebreus pediam, voltava atrás. Foi só com a devastadora morte dos primogênitos que o Faraó finalmente deixou os hebreus partirem. Mas depois se arrependeu, tomou seu exército e foi atrás deles para impedir que atravessassem o Mar Vermelho e saíssem de seus domínios. E dessa parte da história todos lembram o fim…

Voltando à reforma trabalhista de 2017: quantas e quais pragas do Egito serão necessárias para que os faraós neoliberais adoradores do deus-mercado se convençam a deixar o povo descansar, pelo menos uma vez por semana? Oxalá Deus não tenha endurecido seu coração a ponto de exigirem a morte dos próprios primogênitos e, num gesto de insana teimosia, deixarem-se tragar pelas revoltas águas do Mar Vermelho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s