Ver o invisível

Estamos tão habituados com o fato de enxergar, que dificilmente nos imaginamos cegos ou impedidos de ver. O mundo, tal qual o organizamos, é um mundo de videntes e para videntes. Uma pessoa que não enxerga tem muita dificuldade para habituar-se e conviver no mundo ordinário.
Estamos tão acostumados com o verbo ver que, mesmo quando a experiência se refere a outros sentidos, usamos, para indicá-la, muitas vezes, a expressão “ver”: “Viu” que música bonita? “Viu” como fazia calor? “Viu” o cheiro daquela coisa? Vivemos, mentalmente, uma dominância do sentido da visão.
E isso porque a visão é o sentido da dominação. Quando chegamos a um lugar novo – tal qual cães que vão sinalizando o território através de sinais odoríferos urinários – nosso primeiro instinto é dar uma volta para ver o que existe naquele lugar. Dificilmente paramos para ouvir, cheirar, apalpar, saborear… Queremos ver! E, de preferência, ver do lugar mais alto para ter uma visão ampla, abrangente, dominadora.
Hoje, mais do que nunca, a imagem é a rainha da comunicação. Quem não é visto, não existe. Nas redes sociais, o ideal é alcançar o máximo possível de visualizações. Uma postagem, em qualquer uma das redes sociais, se não é visualizada, é como se não existisse.
E, como todas sabemos, quanto mais chamativa ao olhar for uma foto, mais visualizações ela terá. Uma postagem sem foto, é muito provável que passará desapercebida nas redes sociais!
Por outro lado, somos incapazes de ver o nosso próprio rosto. Só podemos vê-lo no espelho. Mas o espelho não somos nós. Diferentemente do que muitos pensam, o espelho é apenas o reflexo do nosso rosto, e não o nosso rosto. Muitas vezes esquecemos isso e pensamos que o que vemos no espelho somos nós…

Por isso, talvez, seja verdadeiro o que dizia o Pequeno Príncipe: “o essencial é invisível aos olhos”. É a ânsia insaciada e insaciável de ver o próprio rosto que nos leva ao desejo infindo de ver imagens que, esperaremos eternamente sem nunca sermos satisfeitos, reflitam o rosto que somos. Mas, feliz ou infelizmente, precisamos nos conformar ao fato de que não teremos jamais a possibilidade de nos divisarmos a nós mesmos tal qual somos. E esse é um desejo eterno que pode nos levar, tal qual novos Narcisos, à morte pela inanição contemplativa do próprio rosto invisível.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s