Arquivo da tag: Bento XVI

Pasolini e a Biblia

Enrique Irazoqui, o ator que viveu Cristo, e Pier Paolo Pasolini nos bastidores de O evangelho segundo Mateus | Imagem: reprodução http://cineugenio.blogspot.com

No dia 16 de setembro passado, na Itália, faleceu o ator Enrique Irazoqui. Sua morte pouco foi noticiada. Poucas pessoas sabem quem foi Enrique Irazoqui. Não é de estranhar. Ele atuou em poucos filmes. E o único que se tornou conhecido foi seu primeiro, no qual representou o principal personagem. E isso faz tempo. Muito tempo. Foi na década de 1960.

Enrique Irazoqui era estudante em Barcelona e, durante a ditadura de Franco, foi à Itália buscar apoio para o movimento estudantil espanhol. Em Roma, encontrou-se com o cineasta Pier Paolo Pasolini. Ateu, anticlerical, comunista e homossexual, Pasolini estava trabalhando num projeto controverso: produzir um filme sobre a vida de Jesus tendo como roteiro o Evangelho de Mateus.

Pelo seu perfil pessoal e pela sua proposta, ninguém se arriscava a financiar o projeto. Sem dinheiro, Pasolini buscava atores amadores que custassem pouco e dessem um tom realista à produção. O jovem Irazoqui lhe pareceu o ideal para representar a Jesus.

Diante da insistência de Pasolini, o estudante aceitou a proposta. Enfrentando muitas dificuldades e a oposição da Igreja, o projeto foi adiante. Na sua estreia no Festival de Veneza, em 1964, o filme recebeu o Prêmio Especial do Júri. Sucesso em todo o mundo, em 2004, L’Osservatore Romano, o jornal do Vaticano, considerou a produção de Pasolini o melhor filme sobre Jesus Cristo de todos os tempos.

O que havia de diferente neste filme que o fez tão especial? Dentre as muitas qualidade da obra, uma foi fundamental. Ateu, anticlerical, comunista e homossexual, Pasolini leu o texto do Evangelho de Mateus e o transportou, literalmente, para a tela, despido de qualquer preconceito religioso. O Jesus de Pasolini interpretado por Enrique Irazoqui é tal e qual o apresentado pelo Evangelho de Mateus: um Jesus humano, simplesmente humano, profundamente humano, tão humano que criava o espaço pleno para que Deus nele se manifestasse totalmente.

Além de uma excepcional obra de arte, o Jesus de Pasolini interpretado por Irazoqui é uma magistral lição de como ler a Bíblia. Para entender os Evangelhos e todo o texto sagrado, o caminho adequado é deixar que o texto nos leia no seu realismo humano. E isso tem sua razão. A Bíblia é a Palavra de Deus dita nas mais diversas situações humanas. Situações de alegria, de esperança, de desespero, de dor, de desolação e desilusão. É nelas, no mais humano do humano, que a presença de Deus faz nascer a fé e, através da caridade, alimenta a esperança.

Como bem lembrou o Concílio Vaticano II e insistentemente reiterou o Papa Bento XVI na Exortação Apostólica Verbum Domini, a palavra de Deus por excelência não é o texto que lemos. A mais concreta e verdadeira palavra divina está na humanidade de Jesus que os textos escritos e transmitidos nos permitem reconhecer e constrói o caminho que nos conduz a Deus. Se não reconhecemos na humanidade de Jesus e na humanidade dos humanos a presença viva de Deus, a Bíblia não passa de um simples texto, letra morta, que em nada edifica. Assim como Pasolini o fez através do personagem de Enrique Irazoqui, para reconhecer o verdadeiro rosto de Jesus presente na Bíblia, é preciso muitas vezes despir-nos dos preconceitos religiosos e deixar que ela nos fale e nos leia em nossa própria humanidade. Então, sim, ela será palavra viva e vivificante para o mundo.

 

Obama e a alternativa laica

Por Walter Maierovitch em http://www.cartacapital.com.br/internacional/obama-e-a-alternativa-laica/

A secularização da sociedade avança no Ocidente de forma irreversível. Daí muitos perguntarem como a eleição e o início do papado de Francisco puderam atrair tanto a atenção e ter deslocado, para a missa inaugural, grande número de chefes de Estado e de governo. A resposta, por vozes seculares e à frente o renomado historiador Jacques Le Goff, é que a Igreja ainda influenciará por muito tempo.

O papa emérito Bento XVI com seu sucessor, Francisco. Foto: Osservatore Romano

O papa emérito Bento XVI com seu sucessor, Francisco. Foto: Osservatore Romano

Na missa, não passou despercebido aos vaticanistas e aos historiadores a ausência do presidente dos EUA, Barack Obama, representado pelo vice. É que a Conferência Episcopal dos Estados Unidos apoiou, na primeira eleição e na reeleição de 2012, o Partido Republicano, apelidado de “partido dos ricos”.

As iniciativas legislativas dos democratas, em particular a reforma sanitária de Obama a incluir o tema aborto, enfureceram os integrantes de uma conferência liderada pelo midiático Timothy Dolan, cardeal arcebispo de Nova York. Até os jesuítas entraram no lobby anti-Obama. Na revista quinzenal Civilização Católica, produzida pelos jesuítas, repercutiu o artigo de Luciano Larivera: “Muitos bispos perceberam em Obama, mais do que um reformador social, um aliado da cultura laica e de uma religião intelectual e individualista. Obama contribuirá à crescente secularização dos jovens e à transformação do partido democrático, em um tempo não muito longo, numa alternativa laica como aconteceu com os socialistas Zapatero, na Espanha, e Hollande, na França”.

Apesar do lobby anti-Obama pela Conferência Episcopal norte-americana, os católicos votaram em peso em Obama. Um detalhe: na reeleição de 2012, deixaram a ver navios a dupla mórmon-católica dos republicanos Romney e Ryan. Fora isso, e o cardeal Dolan nem foi consultado, a prestigiosa revista Catholic Health Association aplaudiu, num importante contraponto, a proposta reformadora de Obama em matéria de assistência médico-sanitária.

Para a eleição de Bergoglio tiveram fundamental peso os votos, em bloco, dos 14 cardeais norte-americanos, todos com a bandeira reformista da Cúria. Na verdade, isso aconteceu por mais uma bola fora do trapalhão cardeal Tarcisio Bertone, chefão da Cúria ao tempo do papado de Ratzinger e que lançou, para manter o status quo sobre o controle verticalizado e absoluto de poder administrativo-temporal, o candidato dom Odilo Scherer, que não conseguiu unanimidade nem entre os seus pares brasileiros.

A propósito, o linha-dura monsenhor Carlo Maria Viganò, então secretário do governadorato do Vaticano, enviou a Bento XVI uma detalhada e indignada carta sobre má gestão e corrupção na Santa Sé, cujo responsável era Bertone, secretário de Estado. Tal carta estava entre os documentos repassados à mídia pelo grupo de “corvos” vaticanos e que resultou, pelo furto, na condenação, com posterior perdão, do então mordomo papal.

Em janeiro de 2012, o teor da carta foi revelado no programa televisivo italiano Gli Intoccabili (Os Intocáveis). A título de eufemística promoção, Viganò foi enviado a Washington como núncio e em face da morte de Pietro Sambi. Logo após assumir como diplomata encarregado da ligação entre o papa e a Conferência Episcopal norte-americana, ganhou a consideração dos cardeais, que cerraram fileiras contra Bertone e a corrupção na Cúria. Viganò, dos EUA, continuou a torpedear Bertone, com total apoio dos integrantes da conferência, que passaram a ter, como afirmou o cardeal Dolan, informações importantes e até dados sobre as fofocas do Vaticano. Em síntese, os 14 cardeais norte-americanos chegaram a Roma prontos a eleger um papa capaz de “limpar” a Cúria de Bertone, um elefante em loja de cristais, pois nunca pertenceu, ao contrário de Scherer, à diplomacia eclesiástica.

O papa Francisco tem o compromisso eleitoral de reformar a Cúria e já se fala num triunvirato de cardeais  designados para a tarefa. Para os vaticanistas, Francisco não terá condições de enfrentar tudo sozinho, pois, ao contrário de Pio XII e Paulo VI, nunca, antes de ser eleito papa, atuou como gestor. E ao triunvirato será passado o relatório que investigou o caso VatiLeaks, deixado por Ratzinger ao seu sucessor e guardado no cofre dos aposentos reservados ao papa.

Para o bom entendedor, Francisco deixou claro que trocará a verticalização curial pelo poder horizontalizado, a aproveitar os sínodos, consistórios e conferências. Será um pontificado colegiado. Ao preferir o título de bispo de Roma, não se coloca como “vigário de Cristo” na terra. Ou seja, o único em condições, nas questões de fé, de contar com a infalibilidade, conforme reconhecido ao papa no Concílio Vaticano I, de 1868.

Num pano rápido, começou a corrida contra o tempo e muitos apostam que o papa usará a vassoura, mas manterá, nas questões de fé, o perfil de conservador popular.

“Bento 16 apostou todas as fichas no continente errado”, diz historiador

Sucessão Papal Contradizendo projeções demográficas e da própria história recente da Igreja Católica, o papa Bento 16 priorizou a Europa no seu pontificado, afirma o padre e históriador José Oscar Beozzo.

Em entrevista à Folha por telefone, Beozzo diz que, apesar do apoio de Bento 16 ao arcebispo de Milão, Angelo Scola, muitas vezes os papas não fazem seu sucessor.

Padre da paróquia São Benedito, em Lins (SP), Beozzo é coordenador do Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e Educação Popular e autor de livros e artigos sobre a história da igreja no Brasil e na América Latina.

Rogério Cassimiro/Folhapress
O padre e historiador José Oscar Beozzo
O padre e historiador José Oscar Beozzo

*

Folha – O que se pode dizer sobre o provável novo papa?

José Oscar Beozzo – Essa renúncia de Bento 16 mexeu profundamente com a igreja toda, com o inusitado do seu gesto. Ele fechou o arco de um movimento iniciado no Concílio Vaticano 2º (1962-65), que de maneira muito sábia fixou um limite de idade para bispos e párocos: 75 anos.

Bento 16, com a renúncia, apontou com toda clareza que a norma conciliar devia ser tomada em conta também pelo papa e abriu caminho para que seja levada em consideração por futuros papas.

Creio que os cardeais serão muito cautelosos no conclave. A tendência, após um pontificado muito longo, é escolher um cardeal de mais idade, para um pontificado breve. Quando ele é breve, surge a tendência inversa ou um meio-termo. Tenho a impressão de que o papa vai ser escolhido entre cardeais perto dos 70 anos de idade, mas não mais, por causa do breve pontificado de Bento 16.

O Brasil tem cinco cardeais no conclave, menos que os EUA (11), por exemplo. Por quê?

Acho que foi uma política de Bento 16. Primeiro, ele fez muitos cardeais na Europa e na Cúria ou nos países do norte. De fora da Europa, foram criados só três. Nenhum, porém, na América Latina ou na África, que juntos abrigam quase 60% dos católicos.

Houve críticas generalizadas. Nove meses depois, inopinadamente, ele criou seis cardeais: nas Filipinas, na Índia, na Nigéria, no Líbano, na Colômbia… foi uma espécie de remendo na escolha anterior, que incluiu um brasileiro, mas como cardeal de Cúria: dom João Braz de Aviz.

Três quartos dos fiéis da igreja estão fora da Europa. Não há muito cabimento em ter mais da metade dos cardeais eleitores lá, quando ela representa hoje só uns 23% dos católicos do mundo. Nesse sentido, há sobrerrepresentação europeia entre cardeais e “sub-sub-sub-representação” da América Latina.

Por que Bento 16 reforçou o eurocentrismo?

Ele viu como o grande desafio do seu pontificado recristianizar a Europa. Apostou todas as fichas no lugar errado, a meu ver. A população da Europa, envelhecida, decresce em vários países.

Quando se tem uma população envelhecida, não se sonha muito com o futuro. A igreja na Europa e a igreja na África vivem dois mundos totalmente diferentes. Uma está ancorada no passado, a outra projetada para o futuro.

Mais da metade dos cardeais com direito a voto foi escolhida por Bento 16. Esse colégio pode chegar à conclusão de que é preciso deseuropeizar?

Depende muito da conversa entre os cardeais nos próximos dias e do amplo debate, em escala mundial, que a renúncia desencadeou.

Cardeais asiáticos e da África vão apresentar a realidade daqueles continentes. É um momento rico nesse sentido, pois se sairá do discurso monocórdico ditado pelo centro da igreja. Quem vai dar as cartas não será só a Cúria.

Bento 16 preparou um sucessor, o arcebispo de Milão…

Bento 16 transferiu o cardeal Scola de Veneza –que é meio fim de carreira, como o posto de um marechal no Exército– para Milão. Para bom entendedor da política interna, é uma sinalização.

Havia mais de 400 bispos na Itália, entre os quais o papa podia escolher livremente um para Milão. Escolheu alguém que aparentemente não deveria ser removido, por estar num lugar prestigioso.

Outra possível sinalização foi a escolha de um dos cardeais eleitores, Gianfranco Ravasi, para pregar seu último retiro como papa.

Mas podemos também nos voltar para a história: Leão 13 falou aos cardeais sobre quem ele gostaria que fosse seu sucessor, mas o indicado não foi o escolhido. Depois, Pio 10º apostou no cardeal Gotti, mas ele também não foi eleito. O papa pode dar seu pitaco, mas não significa que os cardeais necessariamente seguirão sua sugestão.

Com a renúncia, Bento 16 está enfraquecido ou fortalecido para a escolha do sucessor?

Ele nomeou 67 cardeais, mais da metade dos votantes. Há poder maior? Por outro lado, com a renúncia, ele vai se recolher em copas. Não tem sentido ele ter renunciado e buscar influenciar diretamente o conclave. Com seu gesto, mostrou humildade e grandeza humana e espiritual.

Renúncia de Bento 16 ‘cria dilema de legitimidade’ para novo papa

Michael Walsh*, Especial para a BBC

Papa Bento 16 (Foto Reuters)Muita gente esperava que Bento 16 voltasse a ser cardeal após a renúncia

A renúncia de Bento 16 tem gerado questionamentos entre teólogos, sendo que alguns alegam que o agora “papa emérito” não deveria ou mesmo não poderia ter se desligado do pontificado.

De acordo com essa segunda tese, defendida pelo teólogo Enrico Maria Radaelli, quando os cardeais se reunirem para eleger um sucessor estarão, na realidade, elegendo um antipapa – ou um impostor.

Não é a primeira vez que esses questionamentos ocorrem.Bento 16 disse que renunciou porque sentiu que não poderia cumprir com os compromissos de seu cargo – e os mesmos motivos foram alegados em 1294 por Pietro da Morrone, o papa Celestino 5º, que renunciou apenas seis meses depois de assumir a liderança da Igreja Católica.

Morrone queria voltar a ser ermitão, mas Bonifácio 8º, seu sucessor, achou mais prudente prendê-lo em um castelo para o resto de sua vida, temendo que seus desafetos se reunissem em torno do ex-papa.

E não faltaram desafetos durante o pontificado de Bonifácio 8º. Um dos argumentos levantados por seus inimigos era que papas não poderiam renunciar – então Bonifácio 8º não poderia ser o legítimo herdeiro de São Pedro.

Cisma

Há figuras dentro e fora da Igreja que poderiam explorar tais teorias de ilegitimidade se o novo pontífice começar a tomar um caminho muito diferente de seu antecessor – por exemplo, no que diz respeito ao papel das mulheres na Igreja ou à promoção da tradicional liturgia em latim.

Um exemplo é o do grupo católico dissidente Sociedade de São Pio 10º.

O grupo esteve à beira de declarar que Bento 16 não era um legítimo sucessor de São Pedro porque ele aceitou os ensinamentos do Concílio Vaticano 2º, de 1960 – aos quais a Sociedade de São Pio 10º se opõe.

Bento 16 trabalhou duro tentando trazê-los de volta para a Igreja Católica – duro demais aos olhos de alguns -, mas não teve sucesso. E a Sociedade de São Pio 10º continua a ser uma Igreja separada, atraindo católicos descontentes. Mais uma divisão dentro do cristianismo.

Papa Bento 16 (Foto AP)Para historiador, decisão de transformar Bento 16 em ‘papa emérito’ causaria confusão

O colapso dessas negociações, ocorrido pouco tempo antes de Bento 16 anunciar sua renúncia, pode ter contribuído para o seu cansaço.

Uma lição (muito) curta de teologia católica é necessária neste ponto: os postos de padre e bispo são considerados sacramentais, como o batismo ou o casamento.

Um bispo e um padre podem renunciar a seu trabalho, mas, segundo a Igreja, continuam a ser bispos ou padres.

O papado, porém, não tem um status sacramental, mas é uma função.

Confusão

O papa é o bispo de Roma. Ele pode deixar essa função (todos os outros bispos devem apresentar sua renúncia aos 75 anos) e, portanto, pode deixar de ser papa.

Não há problema nisso.

Muita gente esperava que Bento 16 voltasse a ser o cardeal Joseph Ratzinger após a renúncia – o que aconteceu com dois papas rivais em 1415 (por um período, um cisma na Igreja Católica fez com que houvesse três papas).

Em vez dessa solução sensata, porém, foi anunciado que ele será “emérito pontífice”, devendo ser chamado de “sua santidade” e podendo se vestir de branco (ainda que tenha de deixar de usar o sapato vermelho dos papas).

A decisão cria incertezas, fazendo Bento 16 parecer quase um “papa alternativo”.

E a confusão fica ainda pior: Ratzinger vai manter seu secretário particular, o arcebispo Georg Gaenswein, que atualmente também é o “guardião” da casa do papa – embora seja provável que o novo pontífice escolha outra pessoa para a função.

Vaticano (Foto Reuters)Helicóptero do papa sobrevoa o Vaticano: incertezas

Além disso, o “papa emérito” vai continuar a viver no Vaticano e o novo papa pode achar a proximidade desconfortável, sentindo-se obrigado a consultá-lo especialmente sobre assuntos que foram importantes durante o seu papado, como a controversa reintrodução do latim na liturgia católica.

Reclusão

Bento 16 diz que passará a viver em reclusão. Ele sempre foi mais feliz com seus livros (e gatos) do que com pessoas, de modo que isso não deve ser um fardo muito pesado.

Ratzinger também pretende escrever. Como papa ele costumava insistir que seus textos teológicos eram uma produção de Joseph Ratzinger, não de Bento 16, embora seja impossível negar que seu posto à frente da Igreja Católica ajudou a impulsionar as vendas dessas obras.

Talvez não haja alternativa realista à permanência de Ratzinger no Vaticano.

Se ele voltasse para sua amada Regensburg, por exemplo, alguns poderiam tentar processá-lo por não dar tratamento adequado às denúncias de abuso de padres e bispos, enquanto outros poderiam transformar sua residência em um santuário, um ponto de encontro para dissidentes do novo pontífice.

Mas certamente há questões legítimas sobre seu título de “pontífice emérito”.

Além das mencionadas acima, tal opção também abre a possibilidade de que Ratzinger, sempre elogiado por sua humildade, seja acusado de deixar-se tomar pela vaidade.

* Michael Walsh é um historiador papal e autor de vários livros sobre o tema, entre eles o Dicionário dos Papas, publicado no Brasil pela Edições 70.

Così cambieranno le norme sul Conclave

Così cambieranno le norme sul Conclave
Uscirà probabilmente domani, 23 febbraio, il testo della legge del papa (“Motu Proprio”) che modificherà in parte la legislazione del conclave, contenuta nella Costituzione apostolica “Universi Dominici Gregis”, promulgata da Giovanni Paolo II e poi già modificata dallo stesso Benedetto XVI (che ha riportato, per i primi trenta scrutini, la maggioranza qualificata dei due terzi per poter eleggere il pontefice). In realtà non si tratta di una modifica vera e propria della costituzione apostolica bensì di una “deroga” alla normativa vigente per il caso, “eccezionale” della rinuncia del pontefice. E’ stato un gruppo consistente di cardinali ed ecclesiastici della Curia ad aver chiesto di non procedere a una modifica permanente della norma, per evitare di “istituzionalizzare” la procedura delle “dimissioni” del papa.Al testo del “Motu Proprio” ha lavorato un gruppo di giuristi coordinato dall’uditore generale della Camera apostolica, monsignor Giuseppe Sciocca. Il cardinale Tarcisio Bertone è stato costantemente informato. I paragrafi dell’Universi Dominici Gregis che saranno “integrati” sono l’articolo 13, relativo ai primi atti che la Congregazione generale dei cardinali deve compiere dopo la morte del pontefice, inclusa la fissazione della data di inizio del Conclave. Gli articoli 17 e 31che regolano la custodia degli appartamenti pontifici e dei beni mobili del pontefice fino all’elezione del nuovo papa, l’articolo 19 relativo alle comunicazioni di rito in caso di sede vacante (autorità, corpo diplomatico), l’articolo 37 circa i termini temporali minimi e massimi entro i quali iniziare il conclave.

Altre disposizioni riguardano infine aspetti liturgici relativi alle cerimonie che accompagnano le “congregazioni generali” (cioè le consultazioni pre-conclave cui partecipano tutti i 209 porporati che compongono il collegio cardinalizio). Nella congregazione generale i cardinali fisseranno la data del conclave, anche sulla base degli arrivi e delle eventuali rinunce dei cardinali elettori (per il momento le rinunce previste sono due, dunque i cardinali elettori saranno 115 e il quorum per l’elezione si abbasserà a 77 voti).

La questione della data è cruciale perché condiziona addirittura l’identikit del nuovo papa: la Settimana santa della Pasqua inizia con la domenica delle Palme, il 24 marzo e per quella data tutti i porporati desiderano di aver eletto il pontefice per tornare nelle proprie diocesi. Più si ritarda l’inizio del conclave, più sarà facile ai candidati forti di affermarsi (il canadese Marc Ouellet,  l’italiano Angelo Scola, lo statunitense Timothy Dolan), perché dovranno essere eletti con la maggioranza qualificata. Più il conclave viene anticipato, più sarà facile per gli outsider di emergere (l’ungherese Peter Erdo o l’indiano Placidus T. Toppo per esempio) perché occorreranno almeno 8-9 giorni di conclave per arrivare a poter votare solo con la maggioranza assoluta. Più il conclave sarà anticipato, più i cardinali stranieri avranno poco tempo per conoscersi e i cardinali di curia e gli italiani saranno avvantaggiati. Ecco perché il braccio di ferro sulla data è così importante.

La data di inizio per le congregazioni generali sarà fissata dal Camerlengo, Tarcisio Bertone, e oscillerà tra il 2 e il 4 marzo al massimo. Mentre l’inizio del conclave oscillerà probabilmente tra il 10 e il 12 marzo.

A vida imita o filme…

 

Nanni Moretti é conhecido pelas críticas à sociedade italiana<br /><b>Crédito: </b> Andreas Solaro / AFP / CP
Nanni Moretti é conhecido pelas críticas à sociedade italiana
Crédito: Andreas Solaro / AFP / CP

O diretor italiano Nanni Moretti assegurou nesta terça-feira que o filme “Habemus Papam”, que narra a renúncia de um Papa com problemas existenciais, antecipou o anúncio da renúncia de Bento XVI. “Às vezes, o cinema pode antecipar a realidade”, declarou Moretti em uma entrevista ao jornal La Repubblica.
O cineasta disse que a cena que encerra o filme, com a renúncia pública do Papa na Praça de São Pedro, é a prova de “um simples gesto pode derrubar São Pedro e toda a Igreja”. “Apesar de não parecer algo crível, eu disse para mim mesmo que era essa a história que eu queria contar. Não a realidade como é, e sim como poderia ser. E aqui estamos”, afirmou Moretti, um dos cineastas mais críticos da sociedade italiana.
“Habemus Papam” conta a história do Cardeal Melville, interpretado por Michel Piccoli, que sofre um ataque de pânico quando tem de falar à multidão na Praça de São Pedro depois da eleição no conclave de cardeais. Os cardeais tentam manter a crise entre as paredes do Vaticano e contratam um psicólogo, interpretado pelo próprio Moretti, para tratar a depressão do Papa, que, por fim, decide não assumir o cargo.
“Queria contar a História, com H maiúsculo, de um homem que não quer dar prioridade a seu papel, apesar de ser sagrado e poderoso, passando por cima de sua natureza humana”, explicou Moretti, que não acredita que Bento XVI tenha visto o filme.
Moretti disse ainda que queria que seu filme fosse um retrato de um Vaticano “mais humano” e, ao mesmo tempo, uma crítica à Igreja católica.

Bento XVI: Deus não é 'absurdo', mas uma realidade misteriosa

Bento XVI abordou os mistérios da fé durante audiência no grande salão Paulo VI do Vaticano. Foto: AP

Bento XVI abordou os mistérios da fé durante audiência no grande salão Paulo VI do Vaticano
Foto: AP

Deus “não é absurdo”, mas uma realidade misteriosa, às vezes, obscura por ser justamente deslumbrante, declarou nesta quarta-feira o papa Bento XVI durante uma audiência geral semanal no Vaticano, em um novo debate sobre a aliança entre a fé e a razão.

“Misterioso, Deus não é absurdo. Se diante do mistério a razão vê apenas escuridão, não é devido à ausência de luz, mas a seu excesso”, disse o Papa teólogo para sete mil fiéis reunidos no grande salão Paulo VI.

Bento XVI fez uma comparação com a luz do sol: “ela cega quando fixamos o olhar no sol, mas ninguém dirá que não é luminosa. A fé permite olhar o sol de Deus que se aproximou do homem para ser conhecida”, considerou.

“Ao mesmo tempo, por sua graça, Deus clareia a razão, ao abrir novos horizontes infinitos e incomensuráveis”, ressaltando que “a fé católica não se opõe a uma razão honesta” dos homens à procura da verdade, nem da busca científica.

Joseph Ratzinger se opõe regularmente a um positivismo científico que explica tudo pela ciência, recusando qualquer transcendência. Ele vê nisso um perigo à liberdade do homem. Na ciência, “devemos encorajar tudo o que é favorável à vida, como a luta contra a doença, ou a busca para revelar os segredos da Terra e do universo”, analisou.

Ao reiterar seus argumentos constantes contra uma fé mágica ou supersticiosa, Joseph Ratzinger, que concentrou sua obra de teólogo sobre a questão da razão e da fé, considerou que “a tradição católica sempre rejeitou o fideísmo, que é a vontade de acreditar contra a razão”.

Igreja Católica 'parou há 200 anos', diz cardeal italiano

 

Cardeal Martini (Foto: AFP)A Igreja Católica está “200 anos atrás” dos tempos atuais, nas palavras do cardeal italiano Carlo Maria Martini, que morreu na sexta-feira aos 85 anos.
A opinião do religioso – que chegou a ser citado como cotado ao papado – foi dada durante a sua última entrevista, gravada em agosto e publicada pelo diário Corriere della Sera, de Milão.
“A nossa cultura envelheceu, as nossas igrejas são grandes e vazias e a burocracia eclesiástica está crescendo, os nossos ritos religiosos e vestimentas são pomposos”, afirmou o cardeal na entrevista, em que propôs uma mudança de direção radical.
Milhares de pessoas vêm prestando as suas últimas homenagens a Martini na catedral de Milão, onde ele foi arcebispo por mais de 20 anos, até se aposentar em 2002, já sofrendo do Mal de Parkinson.
Em sua última entrevista, o cardeal afirmou que muitos católicos perderam a confiança na Igreja Católica e defendeu, entre outras adaptações, uma postura mais generosa em relação aos divorciados.
Além disso, ele pediu que a mudança comece no topo com uma “transformação radical, começando pelo papa e seus arcebispos”.
Martini tinha voltado à Itália recentemente, depois de passar os últimos se aprofundando em estudos bíblicos em Jerusalém.
“Os escândalos sexuais envolvendo crianças nos obrigam a uma viagem de transformação”, disse Martini, referindo-se às várias acusações de pedofilia que surgiram contra líderes católicos nos últimos anos.
O popular cardeal jesuíta era considerado liberal em diversos aspectos e foi muito respeitado pelos papas João Paulo II e seu sucessor, Bento XVI.Analistas dizem que ele ficou conhecido como crítico corajoso durante a sua passagem pela maior diocese da Europa.Ele não se furtava a tocar em temas que muitos no Vaticano consideram tabu, entre eles, o uso de preservativos para combater a Aids na África e o papel das mulheres no clero.
Em 2008, ele chegou a criticar a proibição da Igreja à contracepção, afirmando que a postura possivelmente afastou muitos fieis. Dois anos antes, ele declarara publicamente acreditar que camisinhas são, em algumas situações, “o menor dos males”.No entanto, é muito incomum que um integrante do alto escalão do clero critique abertamente a forma com que a Igreja põe seus ensinamentos em prática.Analistas afirmam que o papa agora tem pela frente uma decisão difícil: comparecer ou não ao funeral de Martini na segunda-feira – o que, para muitos, seria uma poderosa afirmação da unidade da Igreja Católica.O atual pontífice é conhecido por não premiar líderes católicos que se atrevam a questionar a doutrina.A última entrevista do religioso foi dada no início de agosto a um jornalista e ao também jesuíta Georg Sporschill.O cardeal Martini foi um acadêmico e estudioso da bíblia respeitado, além de prolífico autor de livros populares sobre religião.